Papa Francisco postou mensagem na qual disse que Amazônia 'também é nossa'.

Presidente comentou afirmação nesta quinta-feira durante transmissão ao vivo em rede social.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (13) em uma rede social que "a Amazônia é nossa" ao comentar uma mensagem publicada pelo Papa Francisco nesta quarta. Também em uma rede social, o Papa publicou nesta quarta (12) a seguinte mensagem: "Dirijo esta exortação ao mundo inteiro, para ajudar a despertar a estima e solicitude pela Amazônia, que também é «nossa»".

Segundo Bolsonaro, "a Amazônia é nossa.

Não é como o Papa tuitou ontem, não, tá?" O Papa também escreveu: "Sonho com uma Amazônia que lute pelos direitos dos mais pobres, dos povos nativos, dos últimos, de modo que a sua voz seja ouvida e sua dignidade promovida.

#QueridaAmazonia".

Nesta quinta, o Papa Francisco recebeu no Vaticano o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas Bolsonaro não comentou o encontro. Na transmissão desta quinta-feira, Bolsonaro mencionou o Conselho Nacional da Amazônia Legal e afirmou que o objetivo é mostrar ao mundo há preocupação com a região. "Foi criado nesta semana um conselho que visa proteger, preservar e desenvolver nossa Amazônia, o que é muito importante, adotar medidas preventivas contra qualquer ação que não esteja de acordo com as leis brasileiras.

[...] E mostrar para o mundo que estamos preocupados com a Amazônia, a Amazônia é nossa.

Não é como o Papa tuitou ontem, não, tá?", afirmou o presidente. "A Amazônia é nossa e queremos preservá-la e fazer com que possamos ser beneficiados com os recursos de forma sustentável", acrescentou Bolsonaro. Conselho da Amazônia Bolsonaro assinou um decreto nesta terça (11) para transferir o conselho do Ministério do Meio Ambiente para a Vice-presidência. O decreto do presidente excluiu do grupo os governadores dos estados da Amazônia Legal.

Segundo Bolsonaro, incluir os governadores "não resolveria nada", mas, esmo assim, afirmou o presidente, os governadores serão consultados. A reativação do conselho foi anunciada em meio às diversas críticas de ambientalistas e líderes internacionais sobre a política ambiental do governo Bolsonaro. No primeiro ano de governo, Bolsonaro colecionou polêmicas com líderes de França, Noruega e Alemanha (clique no nome do país para relembrar o caso). No mês passado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, viajou para Davos (Suíça) para participar do Fórum Econômico Mundial e, segundo o colunista do G1 e da GloboNews Valdo Cruz, foi alertado que investidores poderiam deixar de aplicar recursos no Brasil se não houvesse um ajuste na política ambiental.